Contador de Visitas

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Hip Hop: A voz que vem da periferia


No dia 27 de junho retomamos algumas questões, no que diz respeito ao que entendem sobre Hip Hop. Fez-se necessário esta abordagem, para contemplar os alunos e alunas novas agregadas a turma neste ano, para que também tenham o entendimento do que seja esta cultura. O questionamente foi lançado: O que é Hip Hop? Segue, as falas:

É grafite. (Bruna Q.)

É uma dança bonita. (Elisandra)

É uma arte. (Andriele Martins)

É uma dança diferente. (Elisandra)

É uma dança que chama a atenção. (Camila)

É música de periferia. (Beatriz)

É uma dança que tem na rua. (Bruna Q.)

É uma coisa muito legal, que a gente aprende grafite. E, daqui uns anos, nós também podemos dançar. Não é só dos meninos. (Jéssica)

Tem Dj também. (Bruna Q.)

Faz parte do basquete de rua. (Andriele Martins).

6 comentários:

Richard Serraria Canção & Poesia disse...

HIP HOP também é cultura de sala de aula


Quem sabe não desiste, sempre insiste, sabe que existe

Hip hop é grafite

É uma dança bonita,

Já que viver é uma arte, grafitar faz parte!

Quem sabe não desiste, sempre insiste, sabe que existe
Hip Hop é uma dança diferente


O break é uma dança que chama a atenção.

o b boy rola no chão
a b girl prestatenção
ele diz pra ela
me empresta teu coração

ela diz pra ela
break é consciencia mano, é ação

É música de periferia
de gente que faz o corre
segue na correria

dos eucaliptos é morada,
faz parte do basquete de rua,
hip hop é o som da quebrada


É uma dança que tem na rua

É uma coisa muito legal, a gente aprende grafite.
E, daqui uns anos, nós também podemos dançar.

também podeamos gravar

também podemos grafitar
rabiscar, escrevinhar

também podemos amar em forma de rap
deixe seu scrap

quem não é lóki, escreve no blog
e canta e pinta e dança
faz um rap ou manda ver um scratche

Não é só dos meninos
Nem é só das meninas


a treta é nervosa e o bagulho é islâmico, não é mais cabuloso o esquema, sinistro total, não tem caô não tem problema, mentiu pro tio, contou pro vô
muda tudo o tempo todo na lan house que é a fala do povo.

Maria Ester disse...

É uma honra ter um comentário do professor Richard,também poeta e músico do grupo Bataclã. Ter sido sua aluna foi um grande privilégio. Faz parte do grupo de mestres, que jamais esqueceremos. Suas aulas são maravilhossas, pois agregam conhecimeto e beleza poética. Foi uma emoção ler o comentário, formado num rap, baseado nas falas das alunas. Haja coração,...........são as alegrias que a sala de aula nos proporcionam. Valeu professor. Adorei!!!

Lenira Brisch disse...

Poético
Maravilhoso esse mundo que estás criando junto aos teus alunos, Ester
Abraços
Lenira Brisch

Lenira Brisch disse...

Poético
Maravilhoso esse mundo que estás criando junto aos teus alunos, Ester
Abraços
Lenira Brisch

andrea disse...

Ester! entrei de novo no teu espaço, tuas aulas tem sido força para mim. Estou adorando!!Falei pros meus alunos aqui da Adolfina. Beijão à todos vocês porque tem muito o que ensinar e apreender!!!

Maria Ester disse...

Obrigada Andrea pelo carinho. Tuas palavras são incentivos pra nós. Embora meus alunos e alunas, não possam visualizá-lo como gostaria, mas sempre transmito as informações que estão contempladas no blog. Imprimo, discutimos em sala de aula. Eu trabalho com uma turma de inclusão, em torno de 7. Então sabes do que falo e o quanto é importante pra eles a visibilidade, valorização do trabalho que desenvolvem. E, como professora também fico gratificada pelos resultados obtidos. Também sei do trabalho maravilhoso que tu desenvolves. Abraços a vocês também, Ester.